Glossário do Empreendedor

Conheça os termos mais usados do mundo do Empreendedorismo

Terminologias mais utilizadas no Empreendedorismo de Startups

(1) Aceleração:
Processo de condução da Startup(111) em um programa intensivo de validação, produtificação e ajustes para ingressar de vez no mercado. Geralmente os programas são orientados por editais e duram em média 6 meses.
(2) Aceleração corporativa:
Meios que uma empresa ou organização escolhe para desenvolver negócios e projetos no formato Lean Startup(70). Nesse caso, elas podem ser demandantes plenas adquirindo a solução, demandantes apoiadores investindo e ficando com parte da solução ou ainda demandantes usuárias que estimulam e depois tornam-se clientes da solução criada.
(3) Aceleradora ou Aceleradora de Startups:
É o espaço destinado a desenvolvimento rápido de empreendimentos de base tecnológica. Nele a Startup(111) recebe mentoria(78), tem acesso a networking(84) qualificado e potenciais investidores.
(4) Ambientes de Inovação:
Atribuição genérica a todo espaço destinado a disseminação e desenvolvimento da cultura empreendedora. Podem ser relacionados a este termo: Incubadoras(61), Aceleradoras(3), Entidades de Fomento, Agências Reguladoras, SEBRAE's entre outros.
(5) Assessment:
Expressão em inglês que significa sensibilização e avaliação de pessoas para executar determinado desafio.
(6) Asset:
Palavra em inglês que significa –ativo–, recurso econômico precificável.
(7) Baby Steps:
Termo em inglês para ‘Pequenos passos’, de maneira cadenciada.
(8) Big Data:
Base de dados estruturados e não estruturados na captação de interação com usuários, computadores, máquinas e equipamentos. Com o Big Data pode ser trabalhada uma série de soluções para gerar inteligência e oferecer fluxos de previsões comportamentais/fenômenos naturais.
(9) Break-even:
Termo em inglês que significa o 'ponto de equilíbrio'. É quando os custos da empresa se equiparam às suas receitas.
(10) Bootcamp:
Pré-evento de imersão que tem como finalidade calibrar os participantes ao mindset(80) modelo mental de um desafio proposto.
(11) Bootstrap:
Forma de condução de um empreendimento com recursos próprios, ou seja, sem captação de empréstimos ou entrada de investidor.
(12) Budget:
Termo em inglês que define o volume de recursos disponíveis para o projeto/ação ou investimento (orçamento).
(13) Business Model CANVAS (BMC):
Modelagem gráfica dos principais pontos da cadeia de valor de um negócio nascente. Desenvolvido por Alexander Ostervalder.
(14) Business to Business (B2B):
Termo utilizado para empresas que tem como clientes outras empresas.
(15) Business to Customer (B2C):
Termo utilizado para empresas que tem pessoas físicas como seus clientes (lógica varejo).
(16) Business to Business for Customers (B2B2C):
Termo utilizado para empresas que vendem para outras empresas na lógica de White Label, tendo como enfoque o usuário final a pessoa física. (Ver termo White Label(120)).
(17) Business to Government (B2G):
Termo utilizado para empresas que vendem para organizações/entidades públicas.
(18) Business to social (B2S):
Empresas que tem enfoque em negócios sociais. (Ver empreendedorismo social).
(19) Capital de giro:
Nome dado aos recursos financeiros utilizados para cobrir os custos do dia a dia da empresa e para sustentá-la entre o pagamento de despesas e o recebimento da receita de clientes.
(20) Captação de recursos (Fundraising):
Obter investimentos, o que pode ser feito por meio de empréstimos bancários, agências de fomento, fundos de investimentos ou investidores-anjos.
(21) Call to action:
Linguagem de UX(123) e mídia que tem o objetivo de otimizar chamadas para “ação” no site.
(22) Co-working:
Espaço de trabalho compartilhado por diversas empresas, que passam a poder se relacionar e gerar sinergias pessoais/profissionais.
(23) Crowd:
Termo amplo para definir movimentos relacionados a multidão.
(24) Crowdfunding:
Forma de obter recursos financeiros por meio do financiamento coletivo. Há três formas de crowdfunding: 1) crowdfunding donate: que é doação plena, 2) crowdfunding early buyer: Quando o investidor espera um produto ainda que em fase de protótipo e 3) Equity Crowdfunding: quando o investidor fica com uma participação do negócio. Existem plataformas on-line especializadas nisso, Ex: Catarse e Broota.
(25) Crowdsourcing:
Forma de conseguir serviços/ajuda de forma colaborativa para geração de conteúdo, solução de problemas, desenvolvimento de novas tecnologias, geração de fluxo de informação e afins. Existem plataformas que trabalham com essa perspectiva, Ex: Kaggle.
(26) Custo de Aquisição do Cliente (CAC):
É o ticket médio entre os valores gastos com marketing e divulgação e a conversão numérica de clientes para o negócio.
(27) Co-Founder:
É o termo dado aos ingressantes no negócio como sócio-gestores. Ver termo Founder(55).
(28) Corporate venture:
Empresa ou conglomerado de empresas que constitui um fundo e cria verticais para investir/gerir negócios inovadores, que podem ter ou não ligação direta com seu segmento de atuação.
(29) Customer Development:
É uma metodologia conhecida por contribuir para o início do movimento denominado Lean Startup(70). O empreendedor e acadêmico americano Steve Blank é o principal responsável pelo desenvolvimento desta metodologia. Em ''The Four Steps to the Epiphany'', Blank descreve o Customer Development como um processo para uma Startup encontrar o Product/Market Fit (alinhamento entre produto e mercado). No mesmo livro, o autor ainda expõe os limites do modelo tradicionalmente adotado pelas startups(111), motivando os empreendendores validarem as suas hipóteses de mercado.
(30) Data Scientist:
Cientista de dados que trabalha com tecnologias e projetos relacionados à Inteligência Artificial.
(31) Deal:
Planos de investimentos acordados e aportados.
(32) Deal Flow:
Plano/Fluxo de investimento do investidor.
(33) Deck:
Apresentação resumida sobre a Startup(111), evidenciando o time, propósito, necessidade ("dor") que resolve, vantagens da solução e roadmap(97).
(34) Demoday:
Encerramento do ciclo de aceleração, na qual as Startups(111) apresentam seus Portfólios e interagem com possíveis clientes e investidores.
(35) Design thinking:
É um método prático-criativo para solução de problemas ou questões, com vistas a um resultado futuro. Nesse sentido é uma forma de pensar baseada ou focada em soluções, com um objetivo inicial. Então, concentrando no presente e no futuro, os parâmetros do problema e suas soluções são exploradas simultaneamente. Tem como precursores a IDEO (um renomado centro de Design nos EUA).
(36) Developer:
Termo inglês para desenvolvedor. O desenvolvedor é um profissional que domina a linguagem de programação, podendo esta ser Web ou mobile. As linguagens mais pertinentes para o mundo Startup(111) são Java, JavaScript, Android e iOS (mobile para aplicativos).
(37) Due Diligence:
Processo de auditoria minuciosa dos fluxos financeiros e processuais originado quando uma empresa sinaliza interesse de fusão e ou aquisição plena da empresa auditada. O Due Diligence(37) é um processo chave para o M&A(79).
(38) Early buyer:
Comprador em estágio inicial do produto. Que apostou na solução adquirindo uma solução que demandará melhorias.
(39) Early investor:
Investidor que apoia a Startup(111) confiando no potencial de entrega do time e na essência da solução. Similar ao Seed Investor.
(40) Early stage:
São consideradas empresas em early stage (estágio inicial) as que possuem até três anos de existência.
(41) Elevador pitch:
Apresentação da ideia do negócio em aproximadamente 30 segundos (o tempo médio que uma pessoa passaria no elevador no fluxo de 3 a 5 andares).
(42) Economia colaborativa (Sharing Economy):
É uma expressão frequentemente usada para descrever atividades humanas voltadas no uso compartilhado de bens, espaços e instrumentos. Nesse contexto a ênfase é no uso e não na propriedade. Geralmente são intermediadas por plataformas web e aplicativos mobile, Ex: Uber, Airbnb.
(43) Ecossistema de Inovação:
É a representação das partes que compõe um ambiente geográfico de inovação. Composto por: Entidades regulamentadoras e Governamentais, Empreendedores, Investidores e Clientes.
(44) Empreendedorismo Corporativo ou Intraempreendedorismo:
Significa empreender dentro da organização na qual se trabalha. O intraempreendedor enxerga nos problemas do dia a dia oportunidades de crescimento para a empresa, sendo capaz de inovar de forma sistêmica e contínua.
(45) Empreendedorismo social:
O empreendedor social cria negócios com fins lucrativos, mas que propõem soluções inovadoras para problemas sociais ou ambientais, como lixo, educação e saúde. Ele está focado em mobilizar pessoas e trabalhar por uma causa para realizar verdadeiras transformações na sociedade.
(46) Equity:
Participação em ações ou quotas de uma empresa. Expressa em valores (no caso de venda) e em percentuais no caso de grandeza proporcional.
(47) Escalabilidade:
Capacidade de replicar o produto/serviço com facilidade atendendo a um grande público ou abrangendo um grande mercado consumidor.
(48) Exponential Organizations (ExO):
Conceito da Singulary University que define características que diferem empresas tradicionais das que possuem um alto grau de alavancagem e tempo de resposta. Obs: Há um livro específico do Salim Ismail com esse nome Exponential Organizations.
(49) Exit:
Estratégia de saída (ou desinvestimento) de investidores, no tempo, condições e valor mínimo aceitável.
(50) Family Office:
Termo em inglês para escritório de famílias. Nesse caso, o escritório tem o papel de fazer a gestão de patrimônio de famílias, aconselhando investimentos e administrando reservas financeiras para sucessores.
(51) Fake it then you make it:
Simular um circuito/experiência de uma solução. Vender o conceito sem ter o produto, e construir a entrega durante o processo de validação junto ao cliente.
(52) Feature:
Funcionalidades estabelecidas na solução (aplicativo ou sistema).
(53) Finders Fee:
Taxa por encontrar uma oportunidade relevante a um grupo de investidores e/ou interessados no negócio.
(54) Fintechs:
Startups(111) que atuam na área financeira core banking ou em frentes derivadas como securitização e gestão de ativos financeiros.
(55) Founder:
É o termo dado ao(s) fundador(es) da Startup(111).
(56) Freela (Freelancer):
Profissional autônomo prestador de serviços para uma Startup. Geralmente nesse perfil trabalham por projetos e estão em maior número os developers(36) e os designers.
(57) Geração de Valor:
Forma de agregar valor por meio da modificação, alteração e reinvenção da proposta de valor ao cliente. Ainda nesses termos, existe o Grupo Geração de Valor, formado por Flávio Augusto da Silva. Ele é um brasileiro empreendedor que com o valor de seu cheque especial montou uma das maiores franquias de idiomas. Atualmente é bilionário dono de um fundo de investimento e do time Orlando City, dentre outros negócios.
(58) Hackathon:
Inicialmente criado com um contexto de maratona de Hackers (Hack+ ...thon), posteriormente foi expandido o escopo e hoje considera-se Hackathons eventos que tragam um desafio claro para ser atendido em um tempo de 50 horas (geralmente ocorrem nos finais de semana) e que tenham em seu time integrantes com perfil em programação de software, design e negócios.
(59) Hype Cycle:
Termo desenvolvido pela consultoria Gartner. Ele demonstra curvas de tendência de determinados segmentos, frisando aquilo que está em ascendência, auge, platô e declínio. Auxilia na visualização de obsolescência e maturidade na adoção de soluções e tecnologias.
(60) Inbound marketing ou marketing de atração:
É uma ferramenta de marketing digital na qual uma empresa posiciona sua marca através de mídias digitais: blogs, podcasts, vídeo, eBooks, newsletters, whitepapers, SEO e outras formas de marketing de conteúdo. O seu conceito surgiu na primeira década dos anos 2000, com a fundação da Hubspot.
(61) Incubadora:
Espaço subsidiado, geralmente vinculado a uma Instituição de Ensino Superior e destinado a negócios que necessitem de um maior tempo para maturação e estrutura laboratorial para testes. Boa parte desses espaços depende de subsídios governamentais e provavelmente vai precisar de uma quantidade relativamente grande de investimentos para acontecer. As Incubadoras(61) são acompanhadas pela ANPROTEC e são estimuladas a aderirem ao CERNE, que seria por sua vez um ciclo de certificação para boas práticas na gestão e apoio ao empreendedor.
(62) Inovação:
Termo designado para produtos, serviços e processos que tenham um fator novidade e atendam ou reinventem uma demanda da sociedade.
(63) Inovação Aberta (Open Innovation):
Termo criado por Henry Chesbrough, que define que a inovação não está somente presente no contexto interno empresarial. Desse modo, as empresas podem desenvolver com seu Ecossistema, Sociedade e cadeia de valor produtos e serviços que impulsionem os negócios e gerem competitividade. A Inovação Aberta rompeu alguns paradigmas relacionados ao patrimônio intangível da empresa (Propriedade Intelectual, Segredo Industrial). Nesse novo contexto, ao invés da empresa proteger seus ativos e se fechar para o mundo, ele inverte a lógica e constrói novas frentes com elementos que estão fora da empresa.
(64) Investidor-anjo:
Os angels são profissionais experientes que têm capital disponível para investir em novos empreendimentos. Em troca desse capital, esperam um percentual da empresa investida. No Brasil a entidade mais representativa de investidores-anjos é a Anjos do Brasil liderada por Cássio Spina.
(65) IPO (Innitial Public Offer):
Termo em inglês que define oferta pública inicial, é o marco onde um a empresa abre seu capital, lança títulos de parte de seus ativos (ações) e torna-se uma Sociedade Anônima, sendo esta regulada pelas normas de governança no Brasil pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e nos EUA pela Securities Exchange Commission (SEC).
(66) IoT (Internet of Things):
Termo em inglês para ‘internet das coisas’ utilizado para dimensionar a ampla interação de sensores e base de informações. Em um mundo automatizado haverão milhares de sensores para cada um dos 7 bilhões de habitantes. Sua aplicação é das mais diversas, desde a agricultura, manufatura, passando por saúde, rastreabilidade de coisas e modelos de urbanização.
(67) Jornada do usuário:
É um conjunto de etapas que representam cenários de interação do usuário com o produto ou serviço.
(68) Lead:
Oportunidade comercial com potencial de conversão em vendas.
(69) Learn by doing:
Termo em inglês que significa aprender fazendo.
(70) Lean Startup:
Metodologia desenvolvida por Eric Ries que delimita o fluxo enxuto de desenvolvimento de negócios, passando por três etapas que constituem um ciclo: Construir, Medir e Aprender. Um dos principais conceitos do Lean Startup é desenvolver o MVP(83) (Mínimo Produto Viável).
(71) Low Cost:
Baixo custo, otimização de atividades por meio da economia colaborativa.
(72) Low Hanging Fruit:
Termo que define "a fruta mais próxima de ser alcançada". Seria aquilo que está mais acessível para ser executado/implementado como negócio.
(73) Maker:
Ou "fazedor" é todo e qualquer indivíduo que tem a capacidade técnica e executa com destreza a materialização de soluções (hardware e software).
(74) Mapa de Empatia:
Ferramenta que ajuda a projetar o perfil de clientes, definindo pontos do que o cliente, pensa e sente, escuta, vê, fala e faz.
(75) Matchmaker:
Termo em inglês que define uma junção por afinidade e/ou sinergia de interesses/necessidades.
(76) Meetup:
Termo em inglês para “encontros temáticos”, nesses encontros o objetivo maior é compartilhar conhecimento a respeito de um tema, fazer networking(84) e socializar ideias.
(77) MEI:
Sigla que se refere ao termo 'Microempreendedor Individual', é a pessoa que trabalha por conta própria e se legaliza como empresário. O teto anual de faturamento é de R$ 81 mil, podendo este ter mais um funcionário. Geralmente as Startups não se enquadram nesse perfil, uma vez que se estimula um time multidisciplinar com três perfis (sendo então 3 pessoas).
(78) Mentoria:
Processo de orientação focada e crítica para empreendedores de Startups(111). A mentoria é realizada por um mentor que geralmente tem experiência empreendedora na área que mentora ou é um executivo de uma empresa estabelecida ou que atua em ambientes de inovação.
(79) Mergers and Acquisitions (M&A):
Termo em inglês para definir 'Fusões e Aquisições' (sendo abreviado M&A), é um aspecto extremamente abordado no meio corporativo, empresas de M&A são especialistas em Due Diligence(37).
(80) Mindset:
Modelo mental, forma como um grupo de pessoas veem e encaram determinados contextos.
(81) Mock up:
Termo que se refere a um modelo visual. É uma abordagem gráfica aproximada de como ficaria a solução digital pronta. Existem alguns apps que trabalham com o modelo de mock up, um dos mais simples é o POP App.
(82) Monetização:
É o modelo no qual se remunera a Startup(111). Existem alguns meios de monetização mais recorrentes. A) Assinatura/Fremium: Nele a startup oferece um tempo grátis ou uma versão free que não possui todas as funcionalidades. Mas se o usuário/cliente quiser ter acesso a todas funcionalidades ele paga uma licença única ou mensalidade. Ex: Netflix e Dropbox, B) Pay-per-use (pago por uso): nessa modalidade a Startup cobra somente quando há solicitação do serviço. Geralmente o custo é passado para o parceiro que executa o produto/serviço. Ex: 99 Táxi e iFood. C) Pay-per-click (pagamento por click): É destinado quando o usuário ao abrir a aplicação clica em um banner de anúncio inserido no app. Ex: Maioria dos jogos no celular ditos “grátis”. D) Market Place: É quando a Startup concentra por meio de uma plataforma um nicho de conexão entre ofertantes e demandantes. Ela passa a receber um percentual (%) ou valor fixo por operação. Ex: Airbnb.
(83) MVP (Minimum Viable Product):
Termo em inglês para “produto mínimo viável”, no contexto de startups, um produto viável mínimo é a versão mais simples de um produto/serviço que pode ser lançada com uma quantidade mínima de esforço e desenvolvimento, mas que atenda a principal dor/necessidade para o público ao qual foi destinado.
(84) Networking:
Ter, estabelecer ou desenvolver uma rede de contatos. 'Fazer networking', como é empregado, costuma ser uma ótima forma de ampliar a qualidade de seus relacionamentos e transformá-los em benefício mútuo no meio profissional.
(85) OKR (Objectives Key Results):
Terminologia desenvolvida por empresas de tecnologia no Vale do Silício(114) para orientar o desempenho de seus membros de maneira integrada aos resultados esperados.
(86) Peer to Peer (P2P):
É a relação pareada, entre rede, pessoas na lógica colaborativa.
(87) Pesquisa e Desenvolvimento (P&D):
Abordagem da pesquisa científica que deriva em desenvolvimento para uma indústria ou segmento específico. Podendo originar novas descobertas, sendo estas protegidas pelas entidades patrocinadoras e seus devidos pesquisadores. No Brasil quem define as regras de P&D é o Ministério de Ciência Tecnologia, Inovação e Comunicações.
(88) Persona:
Ferramenta adotada pelos designers, porém, com o conceito derivado de ciências comportamentais, define estereótipos de atuação de determinados indivíduos pela sua descrição de idade, gênero e padrões sinalizados de comportamento.
(89) Pivotar:
Alterar componentes de uma proposta de valor ao ponto de recomeçar do zero uma startup. Com base em validações o empreendedor percebe que está no caminho errado. Pivotar é o termo que designa que este empreendedor reconheceu a lacuna e está mudando os rumos de seu negócio.
(90) Pitch:
Apresentação do deck da Startup para uma banca de avaliadores, isso pode acontecer em momentos formais de processos de aceleração e/ou concursos ou de maneira mais informal como na lógica do Elevator Pitch(41).
(91) PME:
É a sigla para pequenas e médias empresas. Uma pequena empresa possui de dez a 49 funcionários. Já uma empresa de médio porte possui entre 50 e 249 funcionários. Observação: Apesar de no início as Startups serem tratadas como PME's, elas de fato não são. A ideia de uma Startup é começar enxuta e aos poucos expandir a ponto de ser expressiva em números, mas compacta em ativos fixos e estrutura operacional.
(92) Private Equity:
Fundo privado de investimento. Seguem a lógica de investimento de seus corretores e diversificam a carteira de acordo com o apetite de risco de seus integrantes.
(93) Product Market Fit:
É o termo em inglês que determina ajuste finos de mercado, provendo ligeiras correções conceituais e contextuais do produto ao mercado.
(94) Propósito Massivo Transformador (PTM):
Característica de uma Organização Exponencial. Possui-lo é condição prévia para ser exponencial.
(95) Replicabilidade:
Capacidade da Startup reproduzir o produto/serviço em diferentes contextos.
(96) Risk Taker:
Termo do inglês para tomador de risco, investidor, empreendedor e pessoa que possui um perfil arrojado em relação aos recursos financeiros.
(97) Roadmap:
Em inglês seria o roteiro/mapa do caminho. Seria a evolução projetada pelas empresas em seu produto/funcionalidade ao longo do tempo.
(98) ROI (Return on Investment):
Termo em inglês para de 'Retorno sobre Investimento', corresponde a um percentual da quantidade de dinheiro que retorna em forma de ganhos em relação à quantidade de dinheiro investido.
(99) Scrum:
Metodologia visual para acompanhamento de projetos. Basicamente trabalha com o Back log (Base de Atividades), To do list (O que está por fazer) e Done (O que foi realizado).
(100) Seed capital:
Capital 'semente', aquele capital que se capta quando o negócio está em sua fase inicial, para que ele possa dar seus primeiros passos no mercado.
(101) SEO (Search Engine Optimization):
Termo em Inglês que define métricas de otimização para mecanismos de busca na internet, adotando estratégias com o objetivo de potencializar a relevância e posicionamento das páginas web durante o processo de busca.
(102) Spin-In:
Criação de produtos e serviços que tenham aderência ao portfólio de uma empresa consolidada “empresa-mãe”. Nesse caso, a empresa-mãe pode induzir externamente e incorporar o negócio (Spin-in), ou simplesmente fazer a aquisição do novo negócio por meio de M&A(79).
(103) Spin-Off:
Criação de uma nova empresa de produtos ou serviços inovadores, criados inicialmente a partir de um projeto em uma 'empresa-mãe'. Geralmente, os empreendedores do novo negócio trabalharam antes no desenvolvimento desse projeto na empresa-mãe, que gerou o spin-off.
(104) Shareholders:
São os acionistas que possuem uma parte (share) do negócio.
(105) Shark Investor:
Termo em inglês para investidor "tubarão". Em geral são pessoas que detêm capital e certa influência, mas para investirem em um negócio como uma Startup precificam muito mais seu capital social do que o capital financeiro. Exemplificando em outras palavras, dão R$ 100 mil por 40% (ou mais) do negócio. Há uma franquia de programas que apresenta esse formato de relação por meio de programas de TV em diversos países. O Brasil está na sua primeira temporada (Shark Tank Brasil – Negociando com Tubarões), o programa é exibido no Canal Sonny.
(106) Smart City:
Termo em inglês que define ‘Cidades Inteligentes’, é o meio pelo qual cidades abordam por meio da eficiência de dados (conexão), fatores que facilitam a comunicação, mobilidade e acesso aos ativos tangíveis e intangíveis oferecidos pelo território por meio de um aumento expressivo da autonomia estrutural, geração de riquezas e da melhoria da qualidade de vida de seus moradores.
(107) Smart Community:
Comunidade integrada por meio de redes redundantes de comunicação, otimizando a vida e melhorando a convivência com os seus vizinhos.
(108) Smart Spaces:
Ver em Co-workings(22) e ambientes de inovação.
(109) Stakeholders:
São as partes interessadas e/ou impactadas pelo negócio, sejam eles sócios, acionistas, funcionários, clientes ou segmentos da sociedade.
(110) Stage Gate:
Estágios de desenvolvimento de um produto inovador (lógica do funil de validação). Define a alocação de recursos e o tempo esperado para maturação do que está sendo desenvolvido.
(111) Startup:
Uma empresa projetada desde o início para ser grande. Eric Ries, autor do livro 'Lean Startup', define startup como 'um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza'.
(112) Taxa Média de Atratividade (TMA):
É a taxa de mercado balizadora para o retorno e risco do investidor. No caso do Brasil é balizada na Selic, uma vez que boa parte dos investimentos com baixo e médio risco são indexados a ela. Em termos de risco o investidor sempre irá querer a TMA + um % de ganhos.
(113) Título de dívida conversível (TDC):
A startup pode liquidar parte do capital subscrito por meio de dívida conversível. Essa dívida geralmente tem um prazo de execução, ao final do prazo ela pode ser executada ou convertida em equity(46) (participação da empresa).
(114) Vale do Silício (Silicon Valley):
Região situada na costa Oeste dos Estados Unidos precisamente no Estado da Califórnia. No Vale foram desenvolvidos clusters de empresas de base tecnológica. É uma área que concentra Grandes Empresas, Pessoas altamente Qualificadas e Instituições de Ensino e Pesquisa renomadas internacionalmente tais como Berkeley e Stanford. Também é o berço da criação de boa parte da cultura e métodos relacionados ao empreendedorismo Startup. O sonho americano de fazer sucesso como empreendedor tem sua variante como empresas que nasceram na garagem de seus fundadores.
(115) Validação:
Processo de confirmação das hipóteses do negócio. Se dá por meio de entrevistas diretas, interação com cliente e usuário. A validação é um exercício constante, um processo que exige flexibilidade, agilidade e resiliência para recomeçar diversas vezes e não desistir.
(116) Valuation:
Avaliação do negócio, dando a ele uma precificação presente considerando seu fluxo de caixa, movimentação, taxa de risco, descontando assim uma taxa média de atratividade.
(117) Vesting:
Termo do inglês que significa carência. Na condição de Startup é quando um novo membro está em estágio probatório. Nesse estágio ele precisa performar para adquirir equity(46) (participação) da empresa e ser aceito como Co-Founder.
(118) VC (Venture Capital):
Traduzido como 'capital de risco', os VCs apoiam empresas de pequeno e médio porte já estabelecidas e com potencial de crescimento. Com duração média de 5 a 8 anos, os recursos investidos financiam as primeiras expansões, levando o negócio a novos patamares de escala no mercado.
(119) Wall Street:
Centro financeiro dos Estados Unidos. Situado em Nova York na região de Manhattan, área que concentra os maiores grupos de investimentos no mundo. Nessa região existe um cluster de empresas inovadoras denominado Silicon Alley.
(120) White Label:
Termo em inglês para rótulo branco, significa quando uma empresa comercializa um produto/serviço numa lógica B2B2C(16), ou seja, O White Label é um modelo de negócio em que um produto ou serviço desenvolvido por determinada empresa pode ser revendido por outras empresas ou pessoas físicas sem divulgação dos direitos autorais, ou seja, como se a inteligência por trás do produto fosse da marca que o revende.
(121) Write off:
Termo em inglês que significa literalmente eliminar, mas que no contexto de investimento seria reconhecer a perda no investimento ou prejuízo.
(122) Unicórneo:
Startup que alcançou uma avaliação de US$ 1 Bilhão no mercado.
(123) UX (User Experience):
É o trabalho de mapear e criar pontes empáticas da experiência do usuário com o produto ou serviço. Avaliar quais as reais necessidades os fazem consumir o produto/serviço e/ou permanecer como cliente (usuário).